{Dica de livro} “Falando o mais rápido que posso: de Gilmore Girls a Gilmore Girls e tudo no meio do caminho”, Lauren Graham

falando-o-mais-rapido-que-posso1

Em seu livro biográfico Falando o mais rápido que posso” (Editora Record), Lauren Graham repassa sua vida e carreira desde muito antes de Gilmore Girls. Ela conta um pouquinho sobre sua infância e adolescência, mas foca mesmo em tudo o que passou desde que começou a correr atrás do sonho de ser atriz.

Com muito bom humor, ela conta sua relação com a “glamourosa” Hollywood, brinca com os segredos do mundo dos famosos, fala sobre os papeis que mais gostou de fazer ao longo dos anos, dos apertos que passou, das portas que se abriram depois da Lorelai e entra em algumas questões pessoais.

Mas claro que, assim como o subtítulo do livro diz “De Gilmore Girls a Gilmore Girls e tudo no meio do caminho”, o que não falta por aqui é Gilmore Girls. Lauren conta como foi o começo de sua relação com a Lorelai e com o seriado como um todo, faz uma análise de todas as temporadas da série, conta com alguns detalhes como foi fazer a última temporada e saber que aquele seria o fim, como foi lidar por tantos anos com o fato de que havia acabado e como foi saber, depois de tanto tempo, que o que ela e os fãs tanto queriam estava mesmo acontecendo: haveria um retorno.

Por fim, o livro traz alguns trechos do diário que Lauren manteve durante as gravações de “Gilmore Girls um ano para recordar”. E assim como nós que assistimos ao reboot ela também está com uma dúvida…

 Você não acha que aquele final ficou meio aberto?”

Pois é…

Para os fãs da Lauren Graham, “Falando o mais rápido que posso” é quase que um especial Lorelai Gilmore. Você acaba lendo com a voz (e a velocidade da fala) da personagem na cabeça e devora o livro rapidinho. É engraçado e emocionante. Uma leitura leve e divertida. Ah, e tem um monte de fotos desde a Lauren criança até os bastidores de Gilmore Girls.

Lauren Graham também é autora de “Quem sabe um dia”. Resenha aqui.

Anúncios

Maratona Gilmore Girls

GG

 

Depois de ler “Quem sabe um dia”, escrito pela Lauren Graham – mais conhecida como a eterna Lorelai, fique louca para assistir Gilmore Girls.

 Há muito tempo eu acompanhava a série nas tardes de sábado, no SBT. Mas como a programação do canal não é das melhores, nunca cheguei ao final (nem sei se transmitiram tudo). Aliás, já faz tanto tempo que nem lembrava exatamente até que ponto havia assistido. Então, comecei do zero.

GG1

A The WB (atual CW) produziu 7 temporadas do seriado, de 2000 a 2007. Para quem viveu em Marte nos últimos anos, Gilmore Girls conta a história de Lorelai e Rory, mãe e filha, que vivem na peculiar Stars Hollow e mostra o cotidiano de mãe solteira de Lorelai e a vida de estudante “nerd” de Rory.

Os diálogos rápidos (“Life’s shirt. Talk fast.”), os milhares de litros de café por dia, as várias citações de filmes, os muitos livros que a Rory leu ao longo das sete temporadas, a relação de melhores amigas entre a Rory e a Lorelai, a relação de gato-e-rato de Lorelai com os pai, Richard e Emily, e a confusão que era a vida amorosa da Lorelai, foram as principais marcas de Gilmore Girls que contou, também, com uma série de personagens apaixonantes e outros extremamente peculiares.

RL 

Desde os velhos tempos, quando assistia “Tal mãe, tal filha” no SBT, nunca fui muito fã da Rory, sempre gostei mais da Lorelai. Achava a filha meio chatinha, meio apagada. Continuo preferindo a mãe, que sempre foi mais cheia de vida. Mas aprendi a gostar um pouquinho da Rory durante minha maratona, principalmente depois que ela entrou na faculdade.

cxl

Lorelai, eu te entendo! Como é difícil escolher um desses dois. Claro que o Luke mora no meu coração desde sempre (quem nunca quis ir tomar café no Luke’s que atire a primeira pedra!), mas cada vez que o Chris aparecia eu ficava na dúvida se preferia que ela terminasse com ele ou com o Luke.

GG3

A série teve alguns personagens passageiros, como o Jess, que podia ter ficado um pouquinho mais, e o mala do Dean. E outros que deveriam ter durado menos tempo, como os chatos do Taylor e o Kirk. O Michel era daqueles que hora me fazia morrer de rir, hora eu queria matar. Em compensação, alguns poderiam ter entrado antes, como o Logan e a Paris, que davam à série a energia jovem que faltava em Rory, outros poderiam ter ganhado um pouquinho mais de destaque, como o Trovador Urbano, que eu adorava quando ele aparecia tocando seu violão e sua gaitinha no meio da cidade. Também não poderia deixar de citar a Sookie me dava fome! Queria uma amiga que cozinhasse que nem ela rs e a Lane, aquela amiga improvável que deu um tom musical ao seriado e que rendeu à série a participação de Sebastian Bach por temporadas e temporadas.

Por fim, mas não menos importante…

rgbc

Quando eu já estava quase terminando minha maratona, depois de muitos livros lidos pela Rory terem entrado para a minha lista do “vou ler”, descobri através do Serendipity que existe um projeto/desafio chamado Rory Gilmore Books Challenge.

Foram quase 340 títulos citados e comentados pela personagem ao longo das sete temporadas do seriado. E a ideia do desafio é que os leitores e fãs de Gilmore Girls possam ler os mesmos livros que Rory.

Existem algumas listas espalhadas pela internet. Mas no List Challenges dá para acompanhar além da relação completa, a relação por temporada (1ª, 2ª, 3ª, 4ª, 5ª, e ).