Forever Young – O musical

foreveryoung

Como você estará em 2050?

Com essa premissa, o musical Forever Young, em cartaz no teatro Fernando Torres, em São Paulo, leva ao palco seis artistas interpretando eles mesmos no futuro enquanto passam o dia em um retiro para ex-celebridades.

Supervisionados por uma enfermeira, interpretada por Nany People, os simpáticos velhinhos se transformam em verdadeiras estrelas do rock n’ roll quando ela não está de olho neles, mostrando que, apesar das dores e limitações advindas da idade, ainda se mantêm eternamente jovens.

O musical é extremamente divertido e uma ótima dica para quem curte pop rock.

Indicada aos principais prêmios do teatro em 2017, como Prêmio Bibi Ferreira, Reverência e outros, a comédia consegue, de forma bem-humorada, ser um retrato e uma crítica da terceira idade embalada por hits de sucesso do rock e do pop mundial passando dos anos 50 até os 90. Entre eles I Love Rock and Roll”, “Smells Like a Teen Spirit”, “I Wil Survive”, “I Got You Babe”, “Roxanne”, “Rehab”, “Satisfaction”, “Sweet Dreams”, “Music”, “San Francisco”, “California Dreamin”, “Let It Be”, “Imagine”, e, claro, “Forever Young”. Dentre as músicas nacionais, há “Eu nasci há 10 mil anos atrás”, de Raul Seixas, “Do Leme ao Pontal”, de Tim Maia e “Valsinha”, de Chico Buarque.

Dirigido por Jarbas Homem de Mello, Forever Young traz no elenco, além de Nany People, Miguel Briamonte ao piano e os atores Saulo Vasconcelos, Janaina Bianchi, Rodrigo Miallaret, Naima e Marcos Lanza, que dão um verdadeiro show de voz.

Forever Young

Em cartaz até 25 de março.

Horários: Sextas: 21h30 / Sábados: 21h / Domingos: 19h

Ingressos: a partir de R$ 35,00. https://www.ingressorapido.com.br/venda/?id=4273#!/tickets

Mais informações: https://teatrofernandotorres.com.br/produto/forever-young/

Anúncios

Um brinde às mudanças

change

Estamos tão acostumados a fazer as coisas sempre do mesmo jeito, a viver dentro da nossa zona de conforto, que às vezes nem nos reconhecemos mais em nós mesmos, ainda assim, seguimos repetindo velhos hábitos no piloto automático. Estamos tão confortáveis que já nem sabemos se aquilo ainda faz sentido para nós e não nos questionamos mais porquê fazemos assim. Talvez porque tenhamos medo da resposta. Talvez porque no fundo temos medo de descobrir que muito do que fazemos já não significa nada para quem nós somos hoje. Foi importante em algum momento, já não é mais. E ai a gente se depara com um vazio sem saber como preenchê-lo. Mudar dá um medo…

É engraçado ver como as pessoas reagem às mudanças. Parece que incomoda o outro quando você muda. As pessoas estranham. “Você não era assim”, “está diferente”, “mudou de repente”. Que bom que eu não era assim, fico feliz em estar diferente porque, deixa eu te contar um segredo, eu não estava feliz! E não, talvez não tenha sido tão de repente assim, afinal só eu sei como andavam as coisas aqui dentro antes de as mudanças se tornarem visíveis.

A verdade é que mudar faz parte da arte de viver. É muitas vezes algo natural ao longo do processo de crescimento e de autoconhecimento. Outras vezes, é estimulada por algum acontecimento…afinal, a vida acontece para todos, mais cedo ou mais tarde. E então você percebe que aquele você de ontem, aqueles hábitos, gostos e costumes, já não representam mais quem você é hoje. Simplesmente já não fazem mais sentido.

O segredo é não ter medo e estar aberto. Encarar as mudanças como possibilidades, como oportunidades que temos de deixar pra trás tudo o que já não nos faz mais bem e substituir por algo que esteja em sintonia com quem nós somos agora. Mudanças são nossa chance de sermos fieis à nossa verdade interior, de sermos simplesmente nós.

Então perde o medo de mudar, deixa de dar satisfação para os outros dos porquês. Descubra coisas novas que te façam feliz e que substituam o que já não se encaixa mais na sua vida. Deixa a mudança acontecer, não resiste não. Muda de roupa, a cor do cabelo, de cidade, de trabalho, de gostos, de hábitos, muda de opinião, de ponto de vista, de direção, muda o jeito de fazer as coisas, de sorrir, de olhar, de falar e de andar, muda rápido ou devagar, mas muda e celebra a mudança como quem ganha um presente da vida. Cheers!

 

4 dicas para aprender um novo idioma sozinho

como-aprender-idioma-sozinho-sobre-o-nada

Recentemente resolvi transformar o ócio em algo produtivo e comecei a aprender Francês. Sozinha, online e de graça. Com muito tempo, porém pouco dinheiro, resolvi usar recursos à disposição para estudar. E gente, nem só de redes sociais vive a internet! Tem TANTO site legal e confiável que disponibiliza aulas gratuitas sobre praticamente tudo ao nosso alcance, basta ter interesse, saber e ter paciência para pesquisar e ter dedicação para de fato aprender sozinho.

Como a minha experiência está sendo com o aprendizado de uma nova língua – da qual até então eu só conhecia duas palavras: bonjour e merci – vou deixar aqui 5 dicas para aprender um novo idioma que estão funcionando para mim.

1. Sites online e gratuitos

Como disse no comecinho do post, existem MUITOS sites legais e confiáveis à disposição. Com uma pesquisa mais refinada, você vai encontrar aquele que mais corresponde às suas expectativas. No meu caso, tenho utilizado três sites diferentes que têm funcionado muito bem comigo. Um é melhor para vocabulário, outro para gramática e um terceiro para exercícios. O mais bacana de todos é o Polly Lingual, que oferece aulas básicas e gratuitas de vários idiomas (e tem ainda a opção de aulas mais avançadas no plano pago). Ele é mais focado em vocabulário e pronuncia.

2. Música

Sou movida à música, e aprender um idioma com o auxílio de canções ajuda bastante a fixar. Depois de encontrar alguns artistas franceses que gostei, como Zaz e Joyce Jonathan (aceito dicas! rs), separei algumas músicas favoritas. Ouço, leio, vejo a tradução, faço as associações, canto junto e vou repetindo até a coisa fixar e eu saber não só a letra como também o que ela significa. Excelente para formar vocabulário e aprender pronuncia (fundamental principalmente em uma língua tão diferente da nossa como o Francês e tantas outras). Vale também vídeos no Youtube. Tem alguns bem legais para quem tá aprendendo um novo idioma.

3. Escrita

Qualquer que seja a língua, aprender a escrever é um passo mais complicado. Em Francês então, Jesus! rsrs Por isso praticar a escrita é fundamental. Vá praticando escrever as palavras que vai aprendendo, crie um sistema que funcione para você. Eu costumo escrever a palavra em português e depois, sem consulta, escrevê-la em Francês. Além de ajudar a memorizar o termo, vamos praticando a gramática.

4. Leitura

É óbvio que no começo vai ser difícil porque tudo o que você ler vai precisar de tradução. Mas com a prática as palavras vão ficando mais familiares, algumas delas você vai começar a deduzir antes mesmo de traduzir, e assim você vai aprendendo. Também acho a leitura muito útil para ir compreendendo a gramática e as estruturas das frases. Você vai prestando atenção em como elas são formadas e quando vê já consegue construir suas próprias frases. Assim, volte para o item “3- Escrita” e pratique 😉

Quero deixar claro que acho indispensável um aprendizado mais formal e aprofundado, com acompanhamento de um profissional. Mas para quem quer sair do nada para o básico, as dicas acima funcionam e muito. Mas também tem muito curso de responsa online, com temáticas e conteúdos mais diversos possíveis, que garantem certificados. Então antes de começar, dedique algum tempo a pesquisar as opções e crie uma rotina para se comprometer com o aprendizado.

Já se dispuseram a aprender algo novo sozinhos? Quais técnicas funcionam para vocês?

Martha Sachser: a brasileira que ganha a vida fotografando em NY

Já pensou ir para Nova York e voltar para casa com recordações lindíssimas e fotos incríveis? A blogueira e fotógrafa Martha Sachser ajuda muitos turistas a tornar essa viagem dos sonhos ainda mais memorável. 

Depois de trocar o Brasil por Nova York em 2010, a jovem mineira descobriu no hobby de fotógrafa sua profissão. Hoje ela ganha a vida em terras americanas clicando turistas brasileiros que desejam registrar a viagem de forma especial. Entre seus clientes, muitos fazem parte do nicho chamado de web-celebrities, como Taciele Alcolea, Bruna Vieira, Jade Seba e outros.

fotos-martha-sachser

Fotos: Martha Sachser

Morando em Nova York há quase dez anos, Martha trocou a vida em um escritório pela liberdade de trabalhar nos muitos pontos turísticos da cidade, como o Central Park, um dos passeios preferidos dos turistas que visitam a Big Apple. Para ficar ainda mais encantado e com muita vontade, confira alguns ensaios no site Martha Sachser Photography.

A sessão de fotografias dura em média duas horas. Nesse tempo, clientes e fotógrafa fazem um passeio pelos cartões-postais escolhidos para o ensaio e registram tudo em fotos que levarão de volta para casa em formato digital.

martha-sachser-central-park

Entre os cliques dos ensaios e as edições, Martha se dedica a viajar o mundo. Recentemente, concluiu a visita pelos 50 estados americanos antes dos 30 anos, um dos muitos projetos pessoais da fotógrafa que pretende ainda escrever um livro sobre a experiência e sobre a diversidade dos Estados Unidos.

A mineira também dedica seu tempo ao blog NY & About, um site referência para brasileiros que visitam a cidade, apaixonados pela Big Apple e para quem sonha em morar nos EUA um dia. Em 2016 ela lançou um guia de Nova York em formato e-book. Eu contei um pouquinho mais sobre o guia aqui no blog.

Para acompanhar as dicas e aventuras dela pelos Estados Unidos e se encantar com as fotos que ela faz por lá, confira seu Instagram e seu canal no Youtube!

{Dica de livro} “O que eu sei de verdade”, Oprah Winfrey


o-que-eu-sei-de-verdade-oprah“O que eu sei de verdade”, da Oprah Winfrey (Editora Sextante)
é um livro incrível sobre autoconhecimento, cheio de lições de alguém que se tornou referência para muita gente e que não contou com a sorte para ser quem é. Assim, Oprah nos passa várias lições, mas a principal delas é a de que somos responsáveis pela nossa vida e devemos fazer de tudo para tirar o melhor dessa experiência única.

Dividido em capítulos nos quais são abordados temas como alegria, perseverança, união, gratidão, possibilidade, deslumbramento, lucidez e poder, somos convidados a olhar para nossa vida com mais atenção e cuidado, refletindo sobre cada um desses temas e como os praticamos em nosso dia a dia.

Cada capítulo apresenta vários fragmentos de textos curtos nos quais a autora discorre sobre o tema contando sua experiência e vivência acerca de cada um. A leitura é leve e rápida, ao mesmo tempo bastante profunda e reflexiva. Impossível chegar à última página do mesmo jeito que começamos. Saímos do livro tocados e transformados em diferentes níveis.

Enquanto eu lia, queria compartilhar vários e vários trechos que considerei importantes e que acredito que fariam a diferença para quem os lesse. Deixo aqui apenas um dos meus favoritos e espero que vocês tenham a oportunidade e a curiosidade de ler o livro todo, garanto que será uma ótima experiência e de crescimento.

É verdade que quando você reunir coragem para defender os próprios interesses, quando ousar dar um passo à frente, falar por si, mudar de atitude ou simplesmente fazer algo diferente do que os outros consideram normal, o resultado nem sempre vai ser agradável. Você terá que enfrentar obstáculos. Às vezes vai fracassar. Os outros podem chamá-lo de maluco. Às vezes vai parecer que o mundo inteiro se uniu para lhe dizer quem você não pode ser e o que não pode fazer. (Algumas pessoas se irritam quando você supera as expectativas limitadas que elas sempre tiveram a seu respeito.) E, em momentos de fraqueza, seu medo e sua insegurança podem fazê-lo titubear. Talvez você se sinta tão esgotado que terá vontade de desistir. Mas as alternativas são sempre piores: você pode ficar preso a uma rotina angustiante por anos a fio. Ou pode passar os dias chafurdando em arrependimentos, perguntando a si mesmo como teria sido sua vida se você não tivesse dado tanta importância ao que as outras pessoas pensam.” (p.73)

Achei o propósito do livro muito parecido com O ano em que disse sim”, da Shonda Rhimes. Quem gostou de um com certeza vai gostar do outro. Inclusive eles abordam vários pontos em comum. Ambos são ótimos para mantermos por perto e reler alguns trechos de vez em quando.

Resenha também publicada no blog Sociedade do Livro.

Guia NY & About: um roteiro pronto para se apaixonar por Nova York

guia-ny-and-about

Quando fui morar em Nova York, em 2015, vivia acessando o blog NY & About, da Martha Sachser, para pegar dicas diferentes do que fazer pela cidade, lugares para conhecer, gordices para experimentar…Já contei aqui que muitos lugares legais que conheci não estavam previamente no meu roteiro e foram incorporados graças às dicas do blog dela.

Ano passado, a Martha resolveu facilitar a vida de quem vai turistar pela Big Apple reunindo várias das suas melhores dicas em um roteiro pronto de até 9 dias por Nova York. São cerca de 100 páginas com sugestões de restaurantes, lojas, atrações turísticas, além de várias dicas úteis como, por exemplo, transporte pela cidade, temperatura em cada estação. O guia é recheado de fotos lindíssimas que vão te deixar ainda mais a fim de visitar cada cantinho escolhido e sugerido pela autora.

Uma coisa muito legal é que os roteiros estão organizados de um jeito todo especial para facilitar a visitação a atrações que são próximas umas das outras ajudando os turistas a aproveitarem o período que estiverem na cidade de maneira mais eficiente, sem perder tempo. (Sabe aquela coisa de “não sabia que x era perto de y!” e parecer uma pomba perdida? Quem nunca?!)

O livro está disponível na versão PDF e é super prático, pois dá para carregar no celular, tablet, etc, facilitando o acesso às informações que estão sempre à mão.

O guia custa 7 dólares e está à venda aqui.

A Martha mora em NY desde 2010 onde trabalha como fotógrafa e se dedica ao blog e ao canal no Youtube onde mostra muito sobre sua vida por lá e dá várias outras dicas legais para quem está indo para a cidade.

4 Benefícios práticos da meditação

570c578371bcf

A prática da meditação tem muitos benefícios cientificamente comprovados (vou deixar ao final do post três links que falam mais sobre o assunto para quem se interessar). Mas resolvi trazer aqui 4 dos benefícios que eu alcancei depois que comecei a meditar regularmente. Afinal, nada melhor do que a experiência para comprovarmos (ou não) as teorias.

Não preciso nem dizer que no começo não é fácil. Ficar 5 minutos parado parece uma eternidade e uma missão quase impossível. Mas com o hábito, a gente se acostuma, aumenta o tempo gradativamente e chega a um ponto em que sentimos falta da prática nos dias em que não a realizamos.

Comecei a meditar no final de 2015 e desde então não parei mais. Tive ao longo desse tempo alguns momentos que me faziam deixar a prática de lado, geralmente quando eu estava passando por alguma fase difícil. Justamente quando eu mais precisava parecia que era ainda mais complicado passar qualquer tempo, por mínimo que fosse, sentada, imóvel, em silêncio e concentrada. Eu ficava ainda mais irritada do que já estava, além de ansiosa com o tempo que “não acabava nunca”. Mas não desisti. Foi durante um desses períodos difíceis, no começo deste ano, que me dei conta de que precisava voltar a meditar com frequência. Estavam me fazendo falta aqueles momentos de conexão e silêncio (e seus benefícios) que se estendiam por todo o meu dia. O barulho na minha mente estava perturbador e eu sabia que a meditação iria ajudar.

meditacao-silencio

Eis então 4 (dentre outros) benefícios que alcancei com a prática regular de meditação:

1. Conexão comigo mesma

Um dos objetivos da meditação é entrarmos em contato com nós mesmos. Assim passei a me enxergar com mais clareza, aprendi a identificar minhas dificuldades e qualidades, respeitando meus limites, me respeitando. Com a meditação nos aproximamos da nossa verdade, identificamos nossos valores e crenças e passamos a agir de acordo com eles, vivendo uma vida mais significativa, com mais propósito.

2. Estar (mais) presente

Sou dessas que faz muita coisa no piloto automático, sem prestar atenção. Com a meditação, comecei a estar presente e me concentrar mais com cada atividade realizada e com os momentos vividos. Passamos a fazer as coisas com mais consciência. Vemos e sentimos o que estamos fazendo, realmente ouvimos o que os outros estão falando. Sabemos o que está acontecendo com nós, o que estamos sentindo. Afinal estamos realmente ali, completamente presentes sem embarcar nas viagens da mente que distraem e levam para longe do aqui e do agora.

3. Acalmar a mente

Meus pensamentos “falam” alto demais e o tempo todo, tumultuando a minha mente e me deixando estressada, irritada e até cansada mesmo sem fazer muita coisa. A meditação tem ajudado a silenciar esse barulho todo, possibilitando que eu tenha mais clareza e ordem em meus pensamentos, além de me sentir mais tranquila e relaxada. Isso acaba abrindo espaço na minha mente para coisas mais úteis, como, por exemplo, criatividade, atividades físicas, artísticas, dentre outras coisas.

4. Paciência

Acredito que esse item inclui outros dois benefícios: aceitação e respeito – com nós mesmos e com os outros. Aprendendo a focar na nossa respiração, acabamos nos acalmando e aprendemos a lidar melhor com as adversidades. Assim, nos tornamos mais pacientes, aceitamos melhor o que é diferente e o que não podemos controlar e com isso respeitamos essas diferenças. Ser paciente, sempre com o auxílio da respiração, ajuda a reduzir a ansiedade e o estresse de situações que nos levariam a agir de cabeça quente e, consequentemente, cometermos erros e gerarmos mágoa para nós e para os demais envolvidos. 

Existem vários tipos de meditação. Já testei alguns, mas a que mais funciona para mim é a mindfulness guiada. Acredito que regra é experimentar até encontrar uma que funcione para você. Para me ajudar na prática diária, utilizo o aplicativo Calm (em inglês). Ele traz uma nova meditação por dia com um tema para reflexão e exercício, tem programas com séries de 7 e 21 dias com temáticas específicas e ainda tem meditações para dormir.

Lembre-se: alguns dias são mais difíceis que outros (e tudo bem!), mas a dedicação é recompensada diariamente.

Vou deixar aqui os links que falei com alguns conteúdos sobre os benefícios científicos da prática. Como meditar | Viver de Blog | Mundo Interpessoal 

Boa leitura e boa meditação!