Sem Spoilers: filmes de abril

Batman vs Superman: A Origem da Justiça

batman-vs-superman-a-origem-da-justica_t80724_jpg_290x478_upscale_q90

Título Original: Batman vs Superman: Dawn Of Justice

Gênero: Ação / Fantasia

Direção: Zack Snyder

Ano: 2016

País de Origem: EUA

Sinopse: O confronto entre Superman (Henry Cavill) e Zod (Michael Shannon) em Metrópolis fez com que a população mundial se dividisse acerca da existência de extra-terrestres na Terra. Enquanto muitos consideram o Superman como um novo deus, há aqueles que consideram extremamente perigoso que haja um ser tão poderoso sem qualquer tipo de controle. Bruce Wayne (Ben Affleck) é um dos que acreditam nesta segunda hipótese. Sob o manto de um Batman violento e obcecado, ele investiga o laboratório de Lex Luthor (Jesse Eisenberg), que descobriu uma pedra verde que consegue eliminar e enfraquecer os filhos de Krypton.

Não sou fanática por super heróis, mas Batman e Superman são os que mais acompanho desde a infância, em desenho animado, séries e filmes. Então fui conferir o primeiro filme que uniu os dois e gostei muito! Apesar de ter um amontoado de informações, mesmo pra mim que não sou expert no assunto, ficou tudo bem explicado. Cenas de ação, drama e humor foram bem dosadas e as atuações não deixaram a desejar. Cumpriu com as expectativas e agora é aguardar a sequência!😉

300

acfc8fdb632954558e4301a0e8f14cba_1_jpg_290x478_upscale_q90

Título Original: 300

Gênero: Ação / Guerra / Épico / História

Direção: Zack Snyder

Ano: 2007

País de Origem: EUA

Sinopse: Grécia, 480 AC. Na Batalha de Termópilas, o rei Leônidas (Gerard Butler) e seus 300 guerreiros de Esparta lutam bravamente contra o numeroso exército do rei Xerxes (Rodrigo Santoro). Após três dias de muita luta, todos os espartanos são mortos. O sacrifício e a dedicação destes homens uniram a Grécia no combate contra o inimigo persa.

Ainda não tinha assistido o tão falado “300” – por sua grandiosidade, por retratar a história de Esparta e pela atuação de Rodrigo Santoro – pois não é um gênero que me atrai. Mas fui conferir, na parceria. A produção e os efeitos visuais, realmente, são imponentes, mas também exagerados e a história não me prendeu.

Truman

truman_t110494_8lYbOZD_jpg_290x478_upscale_q90

Título Original: Truman

Gênero: Comédia / Drama

Direção: Cesc Gay

Ano: 2016

País de Origem: Espanha / Argentina

Sinopse: Dois amigos de infância, separados por um oceano, se encontram depois de muitos anos. Eles passam uns dias juntos, lembrando os velhos tempos e grande amizade que se manteve com os anos, tornando-os inesquecíveis, devido o seu reencontro ser também o último adeus.

Adorável! Um filme emocionante e super divertido, pra chorar rindo (e rir chorando!). Uma história simples que se torna grande pelas incríveis atuações de Ricardo Darín e Javier Cámara. Um tema extremamente delicado, mas tratado com ótimo humor, deixa tudo leve e realista, nos aproximando demais desses personagens. E a relação do protagonista com o cachorro (que dá nome ao filme) é de uma sensibilidade tocante. Amei e recomendo muito!

Confirmação

confirmation_t118372_jpg_290x478_upscale_q90

Título Original: Confirmation

Gênero: Drama / Biografia

Direção: Rick Famuyiwa

Ano: 2016

País de Origem: EUA

Sinopse: O juiz Clarence Thomas (Wendell Pierce) é nomeado para o importante cargo de Juiz da Suprema Corte dos Estados Unidos, substituindo outro juiz negro. Mas na hora da validação junto aos outros juízes, uma ex-funcionária na faculdade, a professora de direito Anita Hill (Kerry Washington), acusa-o de tê-la assediado sexualmente dez anos atrás. Na ausência de provas, o caso gera um escândalo no país, suscitando debates sobre o papel das mulheres na política, o abuso de poder no sistema americano e as questões raciais nas altas instâncias do governo.

Um bom filme que se passa de forma cronológica, retratando muito bem os anos 90, época em que a história real aconteceu. Gostei da atuação de Kerry Washington, bem distante da sua Olivia Pope da série Scandal. E apesar de muitos críticos falarem que ficaram em dúvida se a acusação de assédio foi verdadeira, em momento algum eu senti isso. Pra mim, Anita Hill tinha razão. Não tem nada de espetacular na trama, mas serve para conhecer melhor a história e, mesmo sem um veredito, como o caso mudou a história, criando oportunidades e dando força para a mulher nos EUA.

O Juiz

the-judge_t77486_jpg_290x478_upscale_q90

Título Original: The Judge

Gênero: Drama

Direção: David Dobkin

Ano: 2014

País de Origem: EUA

Sinopse: Advogado de muito sucesso, Hank Palmer (Robert Downey Jr.) volta à cidade em que cresceu para o velório de sua mãe, que há muito não via. É recebido de forma hostil pela família e resolve ficar um pouco mais quando seu pai, veterano juiz, é apontado pela polícia como responsável pela morte de um homem que condenou há vinte anos. Mesmo não se entendendo com o pai, Hank debruça-se sobre o caso, mas os dois não conseguem conviver amigavelmente e a possibilidade de condenação aumenta a cada revelação.

Um drama familiar que vai muito além do tribunal. Ótimas atuações do pai durão, cheio de moral e orgulho, interpretado por Roberto Duval e do filho, prepotente, com humor sarcástico e com uma carreira de sucesso duvidoso, por Robert Downey Jr. Já vimos muitas dessas histórias de tribunais, volta pra casa e problemas entre pais e filhos, mas a dupla conduz muito bem, equilibrando o drama com pitadas de humor, com veracidade e sensibilidade. Adorei!

Um Momento Pode Mudar Tudo

um-momento-pode-mudar-tudo_t69754_jpg_290x478_upscale_q90

Título Original: You’re Not You

Gênero: Drama

Direção: George C. Wolfe

Ano: 2015

País de Origem: EUA

Sinopse: Bec (Emmy Rossum) é uma universitária meio perdida, que está se relacionando com um professor casado e perdendo o interesse no seu futuro acadêmico. Ela começa um novo trabalho, cuidando de Kate (Hilary Swank), uma mulher que sofre de uma doença terminal. Aos poucos, a jovem vai aprendendo a aproveitar o mundo, mas acaba se afastando cada vez mais da sua antiga vida. Baseado no livro de mesmo nome, escrito por Michelle Wildgen.

Uma história linda, meio clichê, mas muito emocionante! Hilary Swank está ótima, transmitindo muita veracidade à personagem Kate, diagnosticada com ELA (esclerose lateral amiotrófica), uma doença degenerativa que faz perder o controle dos músculos. A sutileza mostrada em cada etapa da doença, somando com a crescente amizade entre a cuidadora Bec e Kate, dão um ótimo tom de companheirismo e superação ao filme.

Filhos do Paraíso

filhos-do-paraiso_t2665_gKEk1zn_jpg_210x312_crop_upscale_q90

Título Original: Bacheha-Ye Aseman

Gênero: Drama

Direção: Majid Majidi

Ano: 1999

País de Origem: Irã

Sinopse: Ali (Amir Farrokh Hashemian) é um menino de 9 anos proveniente de uma família humilde e que vive com seus pais e sua irmã, Zahra (Bahare Seddiqi). Um dia ele perde o único par de sapatos da irmã e, tentando evitar a bronca dos pais, passa a dividir seu próprio par de sapatos com ela, com ambos revezando-o. Enquanto isso, Ali treina para obter uma boa colocação em uma corrida que será realizada, pois precisa da quantia dada como prêmio para comprar um novo par de sapatos para a irmã.

Um filme iraniano belíssimo, com lições sobre respeito, solidariedade, disciplina e honestidade, que deveria ser assistido por todos. Uma história simples, mas com uma carga enorme de delicadeza e humanidade. Merecidamente indicado ao Oscar 1999 de Melhor Filme Estrangeiro, “Filhos do Paraíso” é um enorme aprendizado, mostrando que mesmo numa vida humilde, a dignidade e o caráter são essenciais.

carolwerner3

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s