Sem Spoilers: filmes de março

O Apocalipse

o-apocalipse_t67472_3_jpg_290x478_upscale_q90Título Original: Left Behind

Gênero: Ficção / Ação

Direção: Vic Armstrong

Ano: 2014

País de Origem: EUA

Sinopse: Após um longo tempo, Chloe (Cassi Thomson) decidiu visitar os pais. Ela andava irritava com a mãe, Irene (Lea Thompson), que há cerca de um ano insistia na pregação religiosa a todos à sua volta. Ainda no aeroporto ela encontra por acaso com seu pai, Rayford (Nicolas Cage), um piloto de avião que iria trabalhar bem no dia do aniversário. Não demora muito para que Chloe perceba que ele arquitetou a viagem para ter um encontro com uma das aeromoças, o que a deixa bastante decepcionada. Também no aeroporto ela conhece Buck (Chad Michael Murray), que se interessa por ela mas embarca no voo que será pilotado por Rayford. Durante a viagem, algo repentino acontece em todo o planeta: milhões de pessoas simplesmente desaparecem, sem deixar vestígios. A situação causa um pânico geral.

Nicolas Cage é um ator que gosto, já vi muita coisa boa com ele, mas ele anda participando de umas produções duvidosas, como “O Apocalipse”. Fui conferir, por causa dele e me decepcionei, claro. E nem é ele o problema, mas a história que é completamente sem noção, a produção amadora, teorias religiosas empurradas goela abaixo, tudo muito ruim. Passem longe!

Invencível

invencivel_t71075_jpg_290x478_upscale_q90Título Original: Unbroken

Gênero: Guerra / Biografia / Drama

Direção: Angelina Jolie Pitt

Ano: 2015

País de Origem: EUA

Sinopse: O drama retrata a história real do atleta olímpico Louis Zamperini (Jack O’Connell), que sofre um acidente de avião e cai em pleno mar. Ele luta durante 47 dias para reencontrar a terra firme e quando consegue é capturado pelos japoneses em plena Segunda Guerra Mundial.

Um bom filme sobre superação, força e fé, com uma garra incrível pela sobrevivência. Muito realista e forte. Com uma linda fotografia e competente direção de Jolie, o filme conta com muito realismo a história de Zamperini, mas talvez faltou um pouco de emoção.  Adorei os flashbacks (eu sempre gosto…rs) que contam sobre a infância, família e a carreira desse atleta.

Noivo Neurótico, Noiva Nervosa

88ea153192e943cbe0965067b13ac609_jpg_290x478_upscale_q90Título Original: Annie Hall

Gênero: Comédia / Romance / Drama

Direção: Woody Allen

Ano: 1977

País de Origem: EUA

Sinopse: Alvy Singer (Woody Allen), um humorista judeu e divorciado que faz análise há quinze anos, acaba se apaixonando por Annie Hall (Diane Keaton), uma cantora em início de carreira com uma cabeça um pouco complicada. Em um curto espaço de tempo eles estão morando juntos, mas depois de um certo período crises conjugais começam a se fazer sentir entre os dois

Um clássico, considerado um dos melhores filmes de Woody Allen e grande vencedor do Oscar daquele ano – melhor filme, diretor, roteiro original e atriz coadjuvante (Diane Keaton). Um drama que não perde o tom engraçado e com diálogos inteligentes e sarcásticos, que são a marca registrada do diretor. Um filme que inspira e permanece sempre atual.

A Boa Mentira

the-good-lie_t77288_jpg_290x478_upscale_q90Título Original: The Good Lie

Gênero: Drama

Direção: Philippe Falardeau

Ano: 2015

País de Origem: EUA / Quênia / Índia

Sinopse: Três homens sudaneses, Mamere (Arnold Oceng), Jeremiah (Ger Duany) e Paul (musician Emmanuel Jal), têm a oportunidade de sair do país e conseguir uma vida melhor nos Estados Unidos. Eles são acolhidos por uma assistente social, Carrie Davis (Reese Witherspoon), que pouco conhece sobre o duro passado de cada um. Ela é uma mulher solteira, bem resolvida e muito prática, o que parece estranhíssimo para eles. Aos poucos, tornam-se amigos e descobrem uma nova visão de mundo.

Um filme comovente, baseado numa história real, que passa uma lição de vida incrível. O início, super forte, nos choca mostrando crianças tentando sobreviver a uma guerra. Depois, nos inspira e nos motiva a sermos melhores com tamanha ingenuidade dessas pessoas que “caíram de paraquedas” nos EUA em busca de uma vida melhor. Muito emocionante e surpreendente.

Corações Famintos

coracoes-famintos_t89786_Bqv4fz3_jpg_290x478_upscale_q90Título Original: Hungry Hearts

Gênero: Drama / Suspense

Direção: Saverio Costanzo

Ano: 2014

País de Origem: Itália / EUA

Sinopse: Jude (Adam Driver) é americano. Mina (Alba Rohrwacher) é italiana. Os dois se conhecem, por um acaso, na porta do banheiro de um restaurante e se apaixonam. Rapidamente, eles se casam e vão ter um bebê. Desde o ínicio da gestação, Mina tem certeza que seu filho será uma criança especial. Quando ele nasce, uma luta interna será travada pelo casal por conta das excentricidades de Mina, que pode estar afetando a saúde daquela criança. Uma batalha que afetará, para sempre, essa história de amor.

De cara o título desse filme me fisgou. Não sabia quem eram os atores, nem a sinopse, só o nome me deu vontade de assistir. Me enganei completamente… Assisti em 3 etapas, porque a história é muito chata, mas eu precisava saber o desfecho! E, sinceramente, não gosto do Adam Driver, mas ele foi o melhor de toda a história, pra se ter uma ideia. Não gostei.

Pequena Miss Sunshine

f6dde184d34b5bbde9f3f96e06ebda6b_jpg_290x478_upscale_q90Título Original: Little Miss Sunshine

Gênero: Drama / Comédia

Direção: Jonathan Dayton e Valerie Faris

Ano: 2006

País de Origem: EUA

Sinopse: Nenhuma família é verdadeiramente normal, mas a família Hoover extrapola. O pai desenvolveu um método de auto-ajuda que é um fracasso, o filho mais velho fez voto de silêncio, o cunhado é um professor suicida e o avô foi expulso de uma casa de repouso por usar heroína. Nada funciona para o clã, até que a filha caçula, a desajeitada Olive (Abigail Breslin), é convidada para participar de um concurso de beleza para meninas pré-adolescentes. Durante três dias eles deixam todas as suas diferenças de lado e se unem para atravessar o país numa kombi amarela enferrujada.

Revi esse ótimo e engraçado road movie sobre perdas, ganhos e aceitação. Temas pesados como drogas, adolescência problemática, suicídio e fracasso profissional são tratados com bom humor, deixando o filme leve, mas não menos reflexivo. Personagens verossímeis, com problemas cotidianos e ótimos interpretações do elenco fazem de Pequena Miss Sunshine um filme obrigatório. =D

Pegando Fogo

burnt_t73832_jpeg_290x478_upscale_q90Título Original: Burnt

Gênero: Drama / Comédia

Direção: John Wells

Ano: 2015

País de Origem: EUA

Sinopse: O chefe de cozinha Adam Jones (Bradley Cooper) já foi um dos mais respeitados em Paris, mas o envolvimento com álcool e drogas fez com que sua carreira fosse ladeira abaixo. Após um período de isolamento em Nova Orleans, ele parte para Londres disposto a recomeçar a carreira e conquistar a sonhada terceira estrela no badalado guia Michelin de restaurantes. Para tanto ele conta com a ajuda de Tony (Daniel Brühl), que gerencia um restaurante na capital britânica, e recruta uma equipe de velhos conhecidos.

Cozinhar é uma verdadeira arte para esses chefs que tem paixão pelo que fazem. E tudo vai muito além quando há concorrência e premiações. O filme explora muito bem esse tema, com um ótimo elenco e uma das melhores atuações de Bradley Cooper. Ele é voraz, sarcástico, egoísta e admirável ao mesmo tempo. No geral, é um filme razoável, que se destaca pelas atuações e lições de superação, amizade e a importância do trabalho em equipe.

O Palhaço

213addefaf60b32a04730961215a8518_jpg_290x478_upscale_q90Título Original: O Palhaço

Gênero: Drama / Comédia

Direção: Selton Mello

Ano: 2011

País de Origem: Brasil

Sinopse: Benjamim (Selton Mello) trabalha no Circo Esperança junto com seu pai Valdemar (Paulo José). Juntos, eles formam a dupla de palhaços Pangaré & Puro Sangue e fazem a alegria da plateia. Mas a vida anda sem graça para Benjamin, que passa por uma crise existencial e assim, volta e meia, pensa em abandonar Lola (Giselle Mota), a mulher que cospe fogo, os irmãos Lorotta (Álamo Facó e Hossen Minussi), Dona Zaira (Teuda Bara) e o resto dos amigos da trupe. Seu pai e amigos lamentam o que está acontecendo com o companheiro, mas entendem que ele precisa encontrar seu caminho por conta própria.

Uma história singela, cheia de simbolismos e questionamentos sobre a vida, a razão da existência e o caminho certo a seguir. Um bom filme, bem produzido e atuado por Selton Mello, mas não me cativou. Talvez porque eu não goste de circo.

Cinderela

cinderela_t70211_2_jpg_290x478_upscale_q90Título Original: Cinderella

Gênero: Fantasia / Romance

Direção: Kenneth Branagh

Ano: 2015

País de Origem: EUA

Sinopse: Após a trágica e inesperada morte do seu pai, Ella (Lily James) fica à mercê da sua terrível madrasta, Lady Tremaine (Cate Blanchett), e suas filhas Anastasia e Drisella. A jovem ganha o apelido de Cinderela e é obrigada a trabalhar como empregada na sua própria casa, mas continua otimista com a vida. Passeando na floresta, ela se encanta por um corajoso estranho (Richard Madden), sem desconfiar que ele é o príncipe do castelo. Cinderela recebe um convite para o grande baile e acredita que pode voltar a encontrar sua alma gêmea, mas seus planos vão por água abaixo quando a madrasta má rasga seu vestido. Agora, será preciso uma fada madrinha (Helena Bonham Carter) para mudar o seu destino.

Uma ótima surpresa, sem mudanças no conto de fadas original, mas com uma beleza, cores e fotografia irresistíveis. Grande elenco, com atuações impecáveis também se destacam, em especial Cate Blanchet, Helena Bonham Cartes e Lily James. Um romance lúdico, como nos filmes antigos, pra recordar e se deliciar!

O Curioso Caso de Benjamin Button

o_curioso_caso_de_benjamin_button_jpg_290x478_upscale_q90Título Original: The Curious Case Of Benjamin Button

Gênero: Drama / Fantasia / Romance

Direção: David Fincher

Ano: 2009

País de Origem: EUA

Sinopse: Nova Orleans, 1918. Benjamin Button (Brad Pitt) nasceu de forma incomum, com a aparência e doenças de uma pessoa em torno dos oitenta anos mesmo sendo um bebê. Ao invés de envelhecer com o passar do tempo, Button rejuvenesce. Quando ainda criança ele conhece Daisy (Cate Blanchett), da mesma idade que ele, por quem se apaixona. É preciso esperar que Daisy cresça, tornando-se uma mulher, e que Benjamin rejuvenesça para que, quando tiverem idades parecidas, possam enfim se envolver.

Ótima revisão! A história é tão inacreditavelmente bem contada, que parece real. Os efeitos, a trajetória do protagonista, a inversão de corpo x mente, são muito bem colocados numa grande passagem temporal, que nos situa dentro dos fatos e nos faz refletir sobre a vida e a morte e o quanto o tempo é imperdoável com todos. Um filme para se admirar, com excelente fotografia e efeitos visuais.

Grandes Olhos

big-eyes_t53864_7_jpg_290x478_upscale_q90Título Original: Big Eyes

Gênero: Biografia / Comédia / Drama

Direção: Tum Burton

Ano: 2015

País de Origem: EUA

Sinopse: O drama apresenta a história real da pintora Margaret Keane (Amy Adams), uma das artistas mais comercialmente rentáveis dos anos 1950 graças aos seus retratos de crianças com olhos grandes e assustadores. Defensora das causas feministas, ela teve que lutar contra o próprio marido no tribunal, já que o também pintor Walter Keane (Christoph Waltz) afirmava ser o verdadeiro autor de suas obras.

Tim Burton mostra um outro lado em “Grandes Olhos”, um drama mais convencional com pequenas pitadas de surrealismo, que é sua marca registrada. Aqui temos espaço para refletir sobre machismo, submissão feminina e o “american way of life”. Um filme que foge à estética exagerada do diretor e acaba sendo superficial. O grande destaque vai para a brilhante atuação de Amy Adams.

carolwerner3

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s