Sem Spoilers: filmes de abril

Profissão de Risco

profissao de riscoTítulo Original: Blow

Gênero: Drama / Biografia

Direção: Ted Demme

Ano: 2001

País de Origem: EUA

Sinopse: Em plenos anos 70, o tráfico de drogas cresce e se espalha cada vez mais rumo aos quatro cantos do planeta. Nos Estados Unidos o elo principal é George Jung (Johnny Depp), que logo se torna o principal importador de cocaína do Cartel de Medelin, comandado por Pablo Escobar. Durante duas décadas, Jung foi um dos principais alvos do combate às drogas do governo americano e era quem fazia a conexão entre os EUA e a Colômbia.

Com ótimo elenco – Johnny Depp, Penélope Cruz, Ray Liotta, Franka Potente – e boas atuações, mas um pouco estereotipadas, este interessante e triste filme, baseado na história real do traficante George Jung, nos faz torcer pelo vilão, pois ele é mostrado de forma simpática, como se não tivesse culpa. Sentimos pena dele. Boa história, mas de risco, pois faz apologia ao crime, ao tráfico, à vida fácil. Destaque para a excelente ambientação da época.

Refém da Paixão

refem-da-paixao_t39409_jpg_290x478_upscale_q90Título Original: Labor Day

Gênero: Drama / Romance

Direção: Jason Reitman

Ano: 2014

País de Origem: EUA

Sinopse: É o final do verão, às vésperas do Dia do Trabalho na cidade de Holton Mills, New Hampshire. Henry (Gattlin Griffith), um garoto de 13 anos, tem poucos amigos, e passa o dia lendo, vendo televisão ou sonhando acordado com os belos corpos de suas colegas de escola. A única companhia de Henry é sua mãe, Adele (Kate Winslet), uma ex-dançarina divorciada há muito tempo. O garoto tenta integrar a nova família de sua mãe e agradar o padrasto, mas Adele tem um grave segredo que não lhe permite ser feliz. Mas tudo muda no Dia do Trabalho, quando Frank (Josh Brolin), um homem misterioso e ferido, aproxima-se de Henry e pede sua ajuda.

Uma história surpreendentemente boa! Quando se acha que está no controle, que sabe o que vai acontecer, o jogo vira. Claro que, em vários momentos, a dedução é meio óbvia, mas tem essas pequenas surpresas que prendem completamente. E enquanto os poucos dias em que a trama se passa acontecem, temos ótimos e instigantes flashbacks para contar os porquês: dos traumas, das acusações, do rumo que as vidas tomaram. Um ótimo filme, nada convencional.

Malévola

malevola_t18173_9_jpg_290x478_upscale_q90

Título Original: Maleficent

Gênero: Fantasia

Direção: Robert Stromberg

Ano: 2014

País de Origem: EUA

Sinopse: Baseado no conto da Bela Adormecida, o filme conta a história de Malévola (Angelina Jolie), a protetora do reino dos Moors. Desde pequena, esta garota com chifres e asas mantém a paz entre dois reinos diferentes, até se apaixonar pelo garoto Stefan (Sharlto Copley). Os dois iniciam um romance, mas Stefan tem a ambição de se tornar líder do reino vizinho, e abandona Malévola para conquistar seus planos. A garota torna-se uma mulher vingativa e amarga, que decide amaldiçoar a filha recém-nascida de Stefan, Aurora (Elle Fanning). Aos poucos, no entanto, Malévola começa a desenvolver sentimentos de amizade em relação à jovem e pura Aurora.

Lindo filme, saindo um pouco do original e com efeitos visuais incríveis. Mas o destaque absoluto vai para Angelina Jolie. Que atuação! Que expressões faciais, nuances de voz, beleza ímpar e em perfeita harmonia com a personagem! Além disso, o foco é o oposto do tradicional, “conhecemos” a história do ponto de vista da vilã Malévola, mas não sem saber o porquê das suas atitudes. Ellen Fanning combina bem com a doce Aurora, mas ainda bem que ela não era a protagonista, rs. E o trio de fadas é completamente sem graça e chato. Boa diversão em uma fórmula certeira da Disney.

Sniper Americano

american-sniper_t58010_5_jpg_290x478_upscale_q90

Título Original: American Sniper

Gênero: Drama / Guerra / Biografia

Direção: Clint Eastwood

Ano: 2015

País de Origem: EUA

Sinopse: Adaptado do livro American Sniper: The Autobiography of the Most Lethal Sniper in U.S. Militar History, o filme conta a história real de Chris Kyle (Bradley Cooper), atirador de elite das forças especiais da marinha americana. Durante cerca de dez anos ele matou mais de 150 pessoas, tendo recebido diversas condecorações por sua atuação na Guerra do Iraque.

Guerra não é dos meus gêneros preferidos, por isso achei cansativos alguns momentos de “Sniper Americano”. Mas, sim, é uma grande produção de Clint Eastwood complementada por uma grande atuação de Bradley Cooper, que incorporou Chris Kyle. O diretor desmistifica o herói, mostrando o lado psicológico do personagem, sua força e seus traumas. Sienna Miller, que interpreta a esposa de Kyle, traz humanidade à trama, tentando sempre trazer seu marido de volta pra casa, para a família e para os filhos. Os EUA o consideram herói, mas nem ele pensava dessa forma, pois só estava lá para tentar salvar os companheiros e sobreviver. Mas a que custo?

Millennium II: A Menina Que Brincava com Fogo

Millennium IITítulo Original: Flickan Som Lekte Med Elden

Gênero: Policial / Suspense

Direção: Daniel Alfredson

Ano: 2009

País de Origem: Suécia

Sinopse: Após um ano viajando pelo mundo, Lisbeth Salander (Noomi Rapace) retorna à Suécia. Logo ela é acusada pela morte de Dag Svensson (Hans Christian Thulin) e sua namorada Mia (Jennie Silfverhjelm). Dag estava preparando uma matéria investigativa sobre tráfico humano para a revista Millennium, enquanto que Mia estava terminando um livro sobre as conexões dos agentes secretos da extinta União Soviética no restante da Europa. Lisbeth é também acusada pela morte de Nils Bjurman (Peter Andersson), seu tutor, que queria recuperar um vídeo comprometedor que está com ela. Após encontrar os corpos de Dag e Mia, Mikael Blokvist (Michael Nyqvist), o editor da Millennium, passa a investigar o caso para provar a inocência de Lisbeth.

Já assisti “Millennium: Os Homens Que Não Amavam as Mulheres”, primeiro filme da trilogia sueca, na versão original e de Hollywood. Ambos incríveis! A sequência, infelizmente, deixou a desejar. Faltou suspense, a história é um pouco morna e sonolenta, sem a trama investigativa presente no seu antecessor. O destaque continua sendo a heroína Lisbeth Salander, sempre bem interpretada por Noomi Rapace. A continuação da versão americana, com Daniel Craig e Rooney Mara, estava prevista para 2013, mas agora é uma incógnita.

Querido Companheiro

querido_companheiroTítulo Original: Darling Companion

Gênero: Comédia / Drama

Direção: Lawrence Kasdan

Ano: 2012

País de Origem: EUA

Sinopse: Beth (Diane Keaton) e sua filha Grace (Elisabeth Moss) salvam um cão perdido no acostamento de uma estrada. Joseph (Kevin Kline), marido de Beth, odeia o animal, agora a principal companhia da esposa. Um casamento é realizado na casa de férias da família e Joseph acaba perdendo o cachorro. Beth se recusa a voltar sem ele e os convidados remanescentes são obrigados a se empenhar na busca.

Simples e bonito pela história de companheirismo do cão, das relações pessoais e de autoconhecimento. Leve e divertido, com cara de sessão da tarde, mas é fraquinho.

Footloose – Ritmo Louco

footlooseTítulo Original: Footloose

Gênero: Comédia / Musical

Direção: Herbert Ross

Ano: 1984

País de Origem: EUA

Sinopse: Um jovem (Kevin Bacon) da cidade grande se muda com sua mãe (Lee McCain) para o interior. Apaixonado por dançar, ele enfrenta sérios problemas quando o conservador reverendo local resolve considerar a dança como um grave pecado.

Um clássico dos anos 80 com grande destaque para a música contagiante. A história não tem nada de extraordinário, mas se marcou a infância, marcou a vida! Além do Kevin Bacon dançando ao som de “Footloose”, eu não lembrava de mais nada da história, nem dos personagens e me surpreendi ao ver nomes conhecidos como John Lithgow, Diane Wiest e Sarah Jessica Parker. Um filme com bons números musicais, previsível, mas que traz boas recordações. Um remake muito criticado foi lançado em 2011, acho que vale conferir.

O Céu é de Verdade

heaven-is-for-real_tNone_jpg_290x478_upscale_q90Título Original: Heaven is for Real

Gênero: Drama

Direção: Randall Wallace

Ano: 2014

País de Origem: EUA

Sinopse: Todd Burpo (Greg Kinnear) é o pastor de uma igreja em Nebraska, que conta com uma congregação bastante fiel. Casado com Sonja (Kelly Reilly), ele enfrenta uma situação complicada quando seu filho, Colton (Connor Corum), precisa ser operado às pressas devido a uma apendicite. Após se recuperar, o garoto diz ao pai que anjos vieram cantar para ele durante a operação. Todd pergunta mais sobre a experiência e fica espantado quando Colton lhe diz que viu situações que ocorreram quando o garoto não estava desperto. Convicto de que o filho visitou o paraíso, Todd passa a questionar sua própria fé naquilo que pregava até então.

Um filme emocionante, baseado numa história real, que vai conquistando aos poucos até tocar lá no fundo do coração. Boas atuações e ótima fotografia, além de uma mensagem sincera e muito reflexiva sobre fé, amor e acreditar não apenas no que se vê.

Sem Rumo

rudderless_t78551_jpg_290x478_upscale_q90Título Original: Rudderless

Gênero: Drama / Musical

Direção: William H. Macy

Ano: 2014

País de Origem: EUA

Sinopse: Depois da morte do filho adolescente, um pai (Billy Crudup) tenta reconstruir sua vida. Certo dia ele recebe da ex-mulher uma caixa com alguns objetos que pertenciam ao filho, entre os quais uma série letras de músicas e gravações originais. Para honrar a memória do filho, ele decide tocar as canções e, a contragosto, monta uma banda para tocar estas canções em um bar.

Sensível e delicada história, com ótima interpretação do protagonista Billy Crudup e excelente trilha sonora. Uma linda e dolorosa jornada musical, que te deixa tão próxima desse pai, tanto quanto a música o conectou ao filho. Tem o estilo de “Mesmo Se Nada Der Certo” e “Apenas Uma Vez”, em que a música é parte fundamental, como um personagem. Gostei muito!

carolwerner3

2 comentários sobre “Sem Spoilers: filmes de abril

  1. Refém da Paixão é o que me agrada mais.

    Já assisti Sniper Americano e criei muita expectativa sobre ele e ao assistir acabou perdendo a graça.

    Malévola também é legal, mas nada de muito extraordinário.

    Tive a mesma impressão em A menina que brincava com fogo. Nem consegui assistir tudo e olha que não sou de fazer isto. Não tem nem comparação com o primeiro e de versão original (este sim vale a pena).

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s