Sem Spoilers: filmes de junho

A Culpa é das Estrelas

A Culpa é Das Estrelas1Título Original: The Fault In Our Stars

Gênero: Romance / Drama

Direção: Josh Boone

Ano: 2014

País de Origem: EUA

Sinopse: Diagnosticada com câncer, a adolescente Hazel Grace Lancaster (Shailene Woodley) se mantém viva graças a uma droga experimental. Após passar anos lutando com a doença, ela é forçada pelos pais a participar de um grupo de apoio cristão. Lá, conhece Augustus Waters (Ansel Elgort), um rapaz que também sofre com câncer. Os dois possuem visões muito diferentes de suas doenças: Hazel preocupa-se apenas com a dor que poderá causar aos outros, já Augustus sonha em deixar a sua própria marca no mundo. Apesar das diferenças, eles se apaixonam. Juntos, atravessam os principais conflitos da adolescência e do primeiro amor, enquanto lutam para se manter otimistas e fortes um para o outro.

“A tristeza não nos muda, ela nos revela.”

Um filme leve e emocionante, que trata a doença de maneira sutil e otimista, assim como o livro homônimo, de John Green, no qual foi inspirado. Li recentemente e as cenas são muito fiéis. Livros normalmente têm muito mais detalhes, mas o filme conseguiu retratar muito bem o romance. Os atores, sem comentários! Shailene e Ansel, jovens promessas do cinema, ambos recém saídos de “Divergente”, têm o carisma, o humor, a ironia, o romantismo e a força necessária para interpretar Hazel e Gus. Mas, como “o mundo não é uma fábrica de desejos”, nos deparamos também com momentos tristes e profundos, que deixam o coração na mão. Um drama com senso de humor inteligente, tons juvenis, mensagens adultas e muita beleza. Li numa crítica que “O filme não vai ganhar o Oscar, nem Cannes, nem Berlim. Ele vai ganhar seu coração! O.K.?” Ok! 😉

As Palavras

The WordsTítulo Original: The Words

Gênero: Romance / Drama

Direção: Brian Klugman e Lee Sternthal

Ano: 2012

País de Origem: EUA

Sinopse: Rory Jansen (Bradley Cooper) é casado com Dora (Zoe Saldana) e trabalha em uma editora de livros. Ele sonha em publicar seu próprio livro, mas a cada nova tentativa se convence mais de que não é capaz de escrever algo realmente bom. Um dia, em uma pequena loja de antiguidades, ele encontra uma pasta com várias folhas amareladas. Rory começa a ler e logo não consegue tirar a história da cabeça. Logo ele resolve transcrevê-la para o computador, palavra por palavra, e a apresenta como se fosse seu livro. O texto é publicado e Rory se torna um sucesso de vendas. Entretanto, tudo muda quando ele conhece um senhor (Jeremy Irons) que lhe conta a verdade por trás do texto encontrado.

“Todos fazemos escolhas na vida, o difícil é conviver com elas”.

Um filme que encaixa de forma coesa três narrativas distintas – quando a história original do livro foi escrita, quando foi publicada por Rory e quando a história por trás do plágio foi contada, em outro livro. Escritores com bloqueio criativo sempre são angustiantes. É só lembrar de Mort Rainey (Johnny Depp) em “A Janela Secreta” e Roy (Josh Brolin) em “Você Vai Conhecer o Homem dos seus Sonhos”. O foco da trama é a consciência do escritor, o quanto as escolhas podem mudar a vida de uma pessoa e o quão alto pode ser o preço a pagar. Os ótimos diálogos têm uma carga dramática e sensível que te fazem se sentir na pele dos personagens.

Simplesmente Complicado

Simplesmente-Complicado (1)Título Original: It’s Complicated

Gênero: Comédia / Romance

Direção: Nancy Meyers

Ano: 2010

País de Origem: EUA

Sinopse: Jane (Meryl Streep) é mãe de três filhos e mantém uma relação amigável com Jake (Alec Baldwin), seu ex-marido, de quem se separou há dez anos. Quando eles se encontram para a formatura de um dos filhos, fora da cidade, surge um clima e eles passam a ter um caso. Só que Jake é agora casado com Agness (Lake Bell), o que faz com que Jane torne-se sua amante. Paralelamente, Adam (Steve Martin) entra na vida de Jane. Ele é um arquiteto contratado para remodelar a cozinha do restaurante de Jane e, aos poucos, se apaixona por ela.

Adoro esse filme! É o tipo de comédia que me agrada. A sempre incrível Meryl Streep está hilária e, ao mesmo tempo, romântica, dramática, à espera de respostas para sua vida amorosa que, até então, tinha se estabilizado. Alguns deslizes de roteiro são nítidos, mas a dupla Meryl e Alec conseguem levar a história muito bem, de forma divertida. Além deles, destaco o genro da Jane, Harley (John Krasinski), responsável por algumas das cenas mais engraçadas do filme.

Uma Babá Quase Perfeita

umababaquaseperfeita (1)Título Original: Mrs. Doubtfire

Gênero: Comédia / Drama

Direção: Chris Columbus

Ano: 1993

País de Origem: EUA

Sinopse: Daniel Hillard (Robin Williams) está passando por uma fase complicada, acaba de se separar de Miranda (Sally Field) e perdeu o seu emprego. Impedido pela ex-esposa de passar mais tempo com os filhos, ele tem uma idéia inusitada para recuperar a relação com as crianças. Daniel veste-se como uma senhora idosa escocesa e tenta conseguir o cargo de babá no seu antigo lar.

Robin Williams é um ator que gosto muito e está encantador no papel da Sra. Doubtfire. Uma comédia que, não importa quantas vezes você assista, sempre será motivo para boas risadas. Momentos dramáticos e engraçados estão sempre presentes no papel de Daniel/Sra. Doubtfire, com destaque para uma cena hilária da babá limpando a casa dançando e fazendo a vassoura de guitarra ao som de “Dude Looks Like a Lady”, do Aerosmith. A trama ganhou o Globo de Ouro de melhor filme e melhor ator musical ou comédia para Robin Williams, além do Oscar de melhor maquiagem. Neste ano poderá haver uma sequência, contando com o protagonista original. Vamos aguardar!

Letra e Música

letraemusicacapaTítulo Original: Music and Lyrics

Gênero: Comédia / Romance

Direção: Marc Lawrence

Ano: 2007

País de Origem: EUA

Sinopse: Alex Fletcher (Hugh Grant) é um decadente astro da música pop, que fez muito sucesso na década de 80, mas agora apenas se apresenta no circuito nostálgico de feiras e parques de diversão. A chance de mais uma vez fazer sucesso bate à sua porta quando Cora Corman (Haley Bennet), a atual diva do pop, o convida para compor uma canção e gravá-la com ela, em dueto. O problema é que Alex há anos não compõe uma canção sequer, além de jamais ter escrito uma letra de música. Sua salvação é Sophie Fisher (Drew Barrymore), a encarregada de cuidar das plantas de Alex, cujo jeito com as palavras serve de inspiração para Alex. Inicialmente reticente em trabalhar com Alex, devido ao término conturbado de um relacionamento e à fobia dele a compromisso, Sophie termina por aceitar a parceria.

Hugh Grant é engraçado até quando não diz nada. Imagine então ele fazendo dancinhas dos anos 80! Kkkkkkkkk Mas sem deixar o charme de lado. E a combinação com a desastrada e doce Sophie é diversão e romance fofo na certa. Sem falar no clipe oitentista “Pop Goes My Heart”, que abre o filme, gruda como chiclete (a música está tocando agora na minha cabeça) e agrada aos fãs de The Police, Tears for Fears e Duran Duran. rs

Histórias Cruzadas

Historias Cruzadas (1)Título Original: The Help

Gênero: Drama

Direção: Tate Taylor

Ano: 2011

País de Origem: EUA

Sinopse: Jackson, pequena cidade no estado do Mississipi, anos 60. Skeeter (Emma Stone) é uma garota da sociedade que retorna determinada a se tornar escritora. Ela começa a entrevistar as mulheres negras da cidade, que deixaram suas vidas para trabalhar na criação dos filhos da elite branca, da qual a própria Skeeter faz parte. Aibileen Clark (Viola Davis), a emprega da melhor amiga de Skeeter, é a primeira a conceder uma entrevista, o que desagrada a sociedade como um todo. Apesar das críticas, Skeeter e Aibileen continuam trabalhando juntas e, aos poucos, conseguem novas adesões.

Baseado best-seller de Kathryn Stockett, o filme conta de forma simples, leve e intimista a dura vida das empregadas negras nos anos 60 e a batalha esperançosa contra o racismo. A forma como Skeeter luta para contar, mesmo que de forma anônima, a verdadeira história dessas humildes mulheres nos envolve tanto quanto repudiamos as atitudes da sociedade branca da época. As personagens Aibeleen e Minny (Octavia Spencer), que tomam a frente nas entrevistas, estão incríveis, com uma dose dramática e cômica na medida certa. Lindo, sensível e surpreendente. Adorei!

 

SemSpoilersCarolWerner

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s