Clássico do mês: “Romeu e Julieta” de William Shakespeare

Acredite se quiser, nunca tinha lido “Romeu e Julieta” e confesso que eu poderia ter ficado apenas com o que “contam” da história.

Quem não conhece a história de amor do jovem casal de famílias inimigas? Pois é, tudo o que dizem é o que está no livro. Nenhum detalhe a mais, nenhum detalhe a menos.

O livro é muito breve e a coisas acontecem muito rápido, além do dramalhão que rodeia o amor dos dois. Claro, comentário de quem tem a cabeça nos dias de hoje. Mas, clássico é clássico e Shakespeare foi e sempre será ótimo, então, mesmo conhecendo toda a história, leiam o livro que embora seja a mais famosa obra de Shakespeare, não é a melhor.

Romeu e Julieta estão apaixonados e resolvem se casar escondidos. Depois do casamento, Romeu mata o primo da esposa e tem que deixar Verona. Em meio ao luto pelo primo e a tristeza por estar longe do homem que ama, o pai da jovem marca o casamento dela com o Conde Páris para dali alguns dias.

A fim de evitar a tragédia maior que seria se casar com quem ela não quer já estando casada com Romeu, Julieta recorre ao Frei Lourenço para que a ajude a sair dessa enrascada. O frei então dá a ela um elixir que a fará parecer morta enquanto ele avisa Romeu para ir com ele salvá-la quando ela acordar.

Julieta é enterrada, mas o recado do Frei não chega a Romeu que recebeu notícias de que sua amada estava morta. Ele então compra um veneno para matá-lo rapidamente e vai até o túmulo de Julieta onde ele encontra Páris. Os dois brigam, Romeu mata Páris, toma o veneno e morre. Julieta acorda, vê Romeu morto e se mata com uma adaga.

Sinopse: Em Verona, na Itália, por volta de 1600, a rivalidade entre os Montecchios e os Capuletos acentua-se e os conflitos estendem-se a parentes e criados, apesar do apelo do príncipe pela paz. Num baile de máscaras na casa dos Capuletos, Romeu Montecchio conhece Julieta Capuleto. A paixão é mútua e instantânea. Ao descobrir que pertencem a famílias inimigas, os dois se desesperam. Resolvem casar-se secretamente, com a cumplicidade de frei Lourenço. No entanto, o destino desse amor seria trágico.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s